sábado, 11 de agosto de 2012

Estudo sobre Pneumatologia – Parte 1



Prezados leitores deste blog:

     Este é o primeiro de uma série de artigos que apresenta um estudo sobre os diversos usos que a Bíblia como um todo faz da palavra “espírito”, visando extrair elementos que permitam ao estudante das Escrituras uma visão mais aprofundada dos significados da referida palavra, em especial no que tange ao entendimento sobre o espírito santo.

     Este estudo de modo algum se destina a ser completo, e isto por duas razões básicas: (1) a ciência bíblica, assim como as demais, é progressivamente entendida à medida que estudiosos apresentam o resultado de suas pesquisas e outros estudiosos constroem sobre as mesmas; (2) alguns usos da palavra “espírito”, quer nas Escrituras Hebraicas (“Velho Testamento”), quer nas Escrituras Gregas Cristas (“Novo Testamento”), são de difícil interpretação, dadas as nuanças sutis que existem entre alguns usos desse termo. Ademais, por motivo de falha humana (erros de digitação, esquecimento ou outro descuido), é possível que alguma referência seja omitida ou anotada de modo errado, impedindo a sua identificação.

     Assim, todo sincero pesquisador das Escrituras, que se sinta compromissado com a verdade contida na Palavra de Deus, poderá, se desejar, contribuir com este estudo. Os leitores poderão enviar suas observações através do e-mail indicado no fim deste artigo ou postá-las na seção de comentários a serem publicados.

     Os sinceros votos deste pesquisador que cordialmente lhes está apresentando este estudo são de que esta pesquisa possa contribuir para um relacionamento mais achegado com o Deus Todo-poderoso, o Soberano Senhor Jeová, por meio de Seu querido Filho, o nosso Senhor Jesus Cristo. – Col. 1:9.

Introdução

     O estudo sobre Pneumatologia é fascinante. Para se entender passagens bíblicas que usam o termo “espírito” (rúahh em hebraico e pneúma em grego), é necessário compreender os vários significados dessa palavra polissêmica. Inclusive, verdades fundamentais, como a real condição dos mortos, a esperança da ressurreição, o propósito de Deus para com a Terra só podem ser compreendidas quando se entende o que é o espírito que há no ser humano. Ademais, as várias atribuições que a Bíblia dá ao termo “espírito” ajudam no correto entendimento sobre o espírito santo. Para ilustrar essa verdade, seguem abaixo passagens bíblicas que mencionam “espírito” e o equívoco que pode resultar da falta de conhecimento de seus vários significados.

     1 Samuel 30:12: “[Davi] comeu e seu espírito lhe retornou; pois não tinha comido pão nem bebido água por três dias e três noites.”

     Para quem entende “espírito” como sendo um ser dentro de cada um, que é liberado do corpo quando a pessoa morre, ou que seu significado se restringe apenas a uma força de vida, tal pessoa concluiria que, depois de comer, Davi reviveu (foi ressuscitado ou reencarnou). Mas isso suscitaria a intrigante questão: como pôde ele comer se estava morto?

    Números 27:16: “Que Jeová, o Deus dos espíritos de toda sorte de carne, designe sobre a assembleia um homem.”

     Quem acha que “espírito” é um ser pessoal consciente dentro do ser humano, que sai com consciência e individualidade e vai para o domínio espiritual (céu, inferno, limbo, purgatório, etc.), por certo ficaria intrigado ao saber que os animais irracionais também têm espírito, conforme o texto acima. Para onde vai o espírito dos animais?

     Lucas 23:46: “E Jesus exclamou com voz alta e disse: ‘Pai, às tuas mãos confio o meu espírito.’ Dizendo isso, expirou.”

     Quem concebe o espírito como exposto logo acima concluiria desse texto que Jesus, como pessoa espiritual, subiu ao Pai naquele instante. Foi assim que um evangélico de denominação batista certa vez se expressou sobre essa passagem. Daí, ele concluiu que a ressurreição de Cristo partes de três dias depois significou que o espírito de Jesus retornou à Terra. Mas, quão grande foi a surpresa dele quando lhe foi mostrado o texto de João 20:17, que relata o que Jesus disse após sua ressurreição: “Ainda não subi para meu Pai”!

     Atos 7:59: “Estêvão … dizia: ‘Senhor Jesus, recebe meu espírito.’”

     Será que Estêvão, ao ter morrido, naquele momento foi ressuscitado como ser espiritual e subiu ao céu para estar ao lado de Jesus? Como então conciliar essa conclusão com o que Paulo disse em 1 Coríntios, de que a ressurreição para a vida celestial somente ocorre ‘durante a presença [parousia]’ de Cristo, a qual evidentemente não havia começado naquela época? – 1 Cor. 15:22, 23, 42-44.

     Ademais, quem acredita que o espírito santo é uma pessoa que faz parte de uma Trindade formada dele mesmo junto com o Pai e o Filho precisaria explicar por que o Pai recebe um nome distintivo – Jeová – (cerca de 7.000 vezes), e o Filho recebe um nome distintivo – Jesus Cristo – (que ocorre cerca de 900 vezes), mas o nome do espírito santo não ocorre NENHUMA vez na Bíblia!

     Juízes 14:6: “O Espírito do Senhor apossou-se de Sansão, e ele, sem nada nas mãos, rasgou o leão como se fosse um cabrito.” – NVI.

    Será que devemos entender disso que Sansão foi possuído por uma pessoa espiritual? Os casos de possessão relatados na Bíblia estão relacionados com seres espirituais maus. (Mat. 8:16; 9:32; 12:22; Luc. 8:29; Atos 19:16) Não encontramos nenhum relato que mencione uma pessoa espiritual da parte de Deus possuindo o corpo de um ser humano. Então, como conciliar a alegação de que o espírito santo é uma pessoa com o fato de que ele “apossou-se de Sansão”?

     Esses poucos exemplos acima ilustram a importância do correto entendimento dos diversos usos que a Bíblia faz do termo “espírito” dentro do correspondente contexto.

     Este estudo seguirá a seguinte metodologia: cada artigo pretende abordar uma ou mais das significações do termo “espírito”, trazendo em suas referências de final de artigo uma lista das passagens bíblicas em que ocorre a palavra “espírito” no significado abordado no referido artigo. No artigo que enfocará o espírito santo, além dessa característica, também será fornecida uma explicação de como as figuradas atribuições pessoais feitas ao espírito santo se cumprem na prática. Em outras palavras, serão feitos comentários para elucidar em que sentido o espírito santo “ensina”, “guia”, “fala”, “testifica”, etc., verbos que não devem ser entendidos literalmente em sua aplicação ao espírito santo, mas que precisam ser entendidos quanto ao que significam na prática em sua aplicação a tais atributos figurados.

     Como já afirmado acima, os leitores que amam a verdade da Palavra de Deus poderão contribuir com material bíblico para este estudo, o qual, considerado sua relevância, poderá ser incluído no artigo em sua reedição. Neste artigo começaremos nosso estudo enfocando o seguinte aspecto de “espírito”:

O espírito como força sustentadora da vida

     Encontramos a primeira ocorrência de “espírito” neste sentido em Gênesis 6:17, que registra as seguintes palavras de Jeová: “E quanto a mim, eis que estou trazendo o dilúvio de águas sobre a terra, para arruinar debaixo dos céus toda a carne em que a força [lit.: “espírito”] da vida  está ativa. Tudo o que há na terra expirará.” Essa passagem usa a palavra hebraica rúahh (espírito). O texto mostra que tanto humanos como animais possuem “espírito de vida”. (Al; ACRF; IBB; veja também Gên. 7:15, 22.) Como reafirmado em Eclesiastes 3:19, “todos eles [humanos e animais] têm apenas um só espírito.” Infelizmente, algumas traduções ocultam essa clara verdade por substituir a palavra “espírito” pela palavra “fôlego”. (ALA; NVI; NTLH) Outras usam a expressão “sopro de vida”. (Ave Maria; CNBB; BJ; NAB) A palavra hebraica para “fôlego” é nesha·máh. Embora esse modo de traduzir revele a verdade bíblica de que “espírito”, nesta significação, indica uma força impessoal que mantém humanos e animais vivos, por outro lado oculta dos que não conhecem a palavra hebraica original a mesma verdade. A própria NM traduz rúahh por “fôlego” em Jó 9:18 e por “hálito” em Jó 19:17, visto que ambas as palavras estão relacionadas à respiração, a qual é mantida pelo espírito (força de vida). No entanto, na expressiva maioria dos casos em que ocorre rúahh, a NM a traduz por “espírito”, permitindo que o leitor entenda plenamente os diversificados usos dessa palavra polissêmica.   

     Como evidência adicional de que “espírito” na concepção de força de vida não tem personalidade nem individualidade temos o Salmo 146:4, que reza: “Sai-lhe o espírito, ele volta ao seu solo; neste dia perecem deveras os seus pensamentos.” Portanto, o espírito não leva consigo os pensamentos da pessoa. Logo, tal espírito é uma força sem personalidade.

     Um texto de particular interesse é o de Eclesiastes 12:7, que declara: “Então o pó retorna à terra, assim como veio a ser, e o próprio espírito retorna ao verdadeiro Deus que o deu.” Esse texto não indica, como alguns pressupõem, a ida de uma pessoa espiritual desencarnada para o céu. Primeiro, porque o texto não diz respeito à morte de pessoas boas, e sim de TODA a humanidade, o que inclui também os iníquos. E o Salmo 5:4 declara sobre Deus: “Ninguém mau pode residir contigo por tempo algum.” É evidente que o “espírito” nesse texto se refere à força vital que habilita a pessoa a viver. (Veja Tiago 2:26.)  Mas, em que sentido o espírito “retorna” a Deus?

     Uma passagem que lança luz sobre esse assunto é a de Jó 34:14, que fala de Jeová “ajuntar a si o espírito e o fôlego [“sopro”, ALA, NVI, BJ; “alento”, Ave Maria; “respiração”, NTLH]” do ser humano. Obviamente, não entenderíamos que o ar expirado pela pessoa percorreria o espaço até a presença de Deus. Correspondentemente, não se deve entender que o espírito (força vital) faça tal percurso. Quando o espírito sai do corpo, ele simplesmente se dissipa. Nesse respeito, ele pode ser comparado à eletricidade, uma força invisível que movimenta diversos aparelhos. Mas, quando o aparelho é desligado, a eletricidade que havia nele deixa de existir.

     Na Bíblia, palavras como “retornar” ou “voltar” não exigem inflexivelmente um movimento topográfico. Podemos comprovar isso pelo texto de Malaquias 3:7, onde Jeová insta ao seu povo: “Retornai a mim e eu vou retornar a vós.” Naturalmente, esse ‘retorno’ não envolvia Deus vir à Terra nem os israelitas irem ao encontro de Deus no céu. Significava, sim, uma mudança de proceder da parte de cada lado: no caso dos israelitas, exigia-se o arrependimento e a conversão; da parte de Jeová, haveria o perdão e o favorecimento. Uma ilustração também pode ajudar na compreensão do assunto: digamos que alguém compre um terreno a ser pago em prestações, mas que não consegue pagá-lo. Neste caso o terreno ‘retorna’ ao seu proprietário. Ninguém concluiria disso que o terreno saiu do lugar em que estava. Apenas o direito, a posse e a autoridade sobre o terreno é que ‘retorna’ às mãos de seu dono.

     De modo similar, quando alguém morre, todas as perspectivas de vida futura dessa pessoa passam a estar nas mãos de Deus, que decidirá se irá ressuscitar tal pessoa por fornecer a ela a força, ou espírito, de vida. – Luc. 8:55; 23:46.

Espírito como força de vida (associada com fôlego, respiração):

Escrituras Hebraicas:
Gn 6:17; 7:15, 22; Núm 16:22; 27:16; Jó 9:18; 10:12; 12:10; 19:17; 27:3; 32:8; 34:14; Sal 31:5; 78:39; 104:29; 135:17; 146:4; Ec 3:19, 21 (2x); 8:8 (2x); 11:5; 12:7; Is 42:5; Je 10:14; 51:17; Lam 4:20; Ez 37:5, 6, 8, 10; Hab 2:19; Za 12:1.
Total: 34 vezes.

Escrituras Gregas Cristãs:
Mt 27:50; Lu 8:55; 23:46; Jo 19:30; At 7:59; Tg 2:26; Re 11:11; 13:15.
Total: 8 vezes.
TOTAL GERAL: 42 vezes.

O próximo artigo abordará o espírito na acepção de pessoa (ser) espiritual.


Os artigos deste blog podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o blog oapologistadaverdade.blogspot.com


6 comentários:

  1. Não querira entender um Deus podoroso com explicacoes humanas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade que mesmo pelo estudo da criação física tudo o que podemos aprender do majestoso Criador do Universo, Jeová Deus, equivale apenas às “beiradas dos seus caminhos”, a um quase inaudível “sussurro” em comparação com um “poderoso trovão”. (Jó 26:14) E o apóstolo Paulo disse a respeito de Deus: “Ó profundidade das riquezas, e da sabedoria, e do conhecimento de Deus! Quão inescrutáveis são os seus julgamentos e além de pesquisa são os seus caminhos!” (Rom. 11:33) No entanto, é possível conhecer a Deus e aos assuntos espirituais dentro dos limites que as Escrituras nos permitem. Prova disso é o que Jesus disse em oração a seu Pai, Jeová: “E a vida eterna é esta: que te CONHEÇAM, a ti só, por único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.” (João 17:3, ACRF) O próprio Deus se descreve em termos humanos para auxiliar nosso entendimento sobre ele. Por exemplo, a Bíblia menciona Jeová como tendo “olhos”, “ouvidos”, “nariz”, “boca”, etc. (1 Ped. 3:12; Eze. 8:17; Deut. 8:3) Inclusive, o espírito santo é comparado ao “dedo de Deus”. (Luc. 11:20; Mat. 12:28) A Bíblia faz uso desses termos antropomórficos para nos ajudar a compreender a Deus. Assim, a Palavra de Deus se utiliza de explicações em “termos humanos” para ajudar nossa compreensão. – Rom. 6:19.

      Excluir
  2. 1 Samuel 30:12: Davi comeu e seu espírito lhe retornou; pois não tinha comido pão nem bebido água por três dias e três noites

    Aqui espírito tem o sentido de "ânimo", "vigor". Interessante que tem sim o sentido de "FORÇA" o qual a Cristandade tanto teme, Davi estava fraco, desanimado, como a Bíblia diz estava "sem espírito", quando comeu ficou "forte" novamente.

    ResponderExcluir
  3. Embora o ensino bíblico independa de fontes externas creio que citá-las nos auxiliam a entender certos fatos já ensinados nas escrituras.Li,por exemplo,o seguinte comentário numa enciclopédia conhecida que possuo em minha casa sobre o envelhecimento e suas consequências:" O envelhecimento caracteriza-se por alterações que se iniciam na proximidade da época do clímax do período reprodutivo. Um traço típico do processo é a diminuição
    da CAPACIDADE de sobrevivência. A perda de FUNÇÕES de orgãos,relacionada à FORÇA muscular,à velocidade de condução dos nervos,à capacidade filtrante dos rins,à eficiência cardíaca(sangue bombeado por unidade de tempo),ou à queda de todos os parâmetros fisiológicos,acentua-se com o aumento da idade.Todas as FUNÇÕES fisiológicas decaem após atingirem o nível funcional máximo à razão de 0,5 a 1,3% a cada ano.. A morte é assim a ausência de todas as funções,a força ativada nas células cessa." Assim,a bíblia apoia esse raciocínio lógico ao indicar que a palavra hebraica e grega para "espírito" se refere à força vital,a centelha de vida nas células que nos energiza e movimenta bem como aos animais.
    ISAÍAS 42:5-"Deus..que dá respiração ao povo que nela(terra)está,e o espírito aos que ANDAM nela".
    APOCALIPSE 11:11-O espírito de vida,vindo de Deus,entrou neles e PUSERAM-se de pé."
    EZEQUIEL 37:10-"E profetizei como ele me deu ordem;então o espírito entrou neles e viveram e se PUSERAM em pé.
    Uma outra evidência bíblica muita clara de que o espírito não é uma parte de nós que sobrevive à morte do corpo e sim a força vital :
    JEREMIAS 10:14-"Todo homem se embruteceu e não há ciência,envergonha-se todo fundidor da sua imagem de escultura,porque sua imagem fundida mentira é,e não há espírito nelas"
    HABACUQUE 2:19-"Ai daquele que diz ao pau: acorda!e à pedra muda:desperta!pode isto ensinar? eis que está coberto de ouro e prata,mas no meio dele não há espírito algum."
    /visto que o ídolo mencionado por Jeremias e Habacuque já era uma representação de um ser espiritual para o idólatra segue-se que o espírito mencionado é a força de vida que energiza,inexistente na imagem e não algo espiritual à parte.
    Desse modo e com apoio de inúmeras evidências bíblicas irrefutáveis conforme apresentadas pelo apologista,a não ser que alguém lance mão de argumentos puramente pessoais,creio que entender o que é o espírito no ser humano ajuda sim a entender o que é o espírito santo de Jeová. Como não compreender isso em termos humanos se o próprio Jeová disse:"façamos o homem à nossa imagem e semelhança"?

    ResponderExcluir
  4. Amigos,

    http://g1.globo.com/parana/noticia/2012/08/padrasto-foge-apos-jogar-soda-caustica-em-rosto-de-enteada-diz-pm.html

    Noticias assim me lembram daquela teoria, aquela doutrina, do eterno inferno de tortura e fogo que o "Deus" da maioria das religiões do mundo inventou para atormentar seus filhos.

    Padrasto que usa Soda caustica na enteada. Mãe que bota mão da filha no ferro de passar .... pune filho pondo mão dele na frigideira.

    ResponderExcluir
  5. http://www.criacionismo.com.br/2012/08/cnbb-enfatiza-santidade-do-domingo.html

    Sugiro um artigo exaustivo, se necessário em série de artigos, sobre os insistentes argumentos onde os membros da IASD dizem que a Bíblia está impondo a guarda do dia de Sábado aos cristãos.

    Aqui temos um exemplo recorrente com Isaías 66 :

    "Jesus também guardou o sábado (Lc 4:16), no que foi seguido por Sua mãe e Seus discípulos, incluindo o apóstolo Paulo. Domingo é um dia comum de trabalho e atividades seculares; é o primeiro dia da semana e, de forma alguma, foi separado para comemorar a ressurreição. Deus não mudaria Seus mandamentos escritos em pedra, vigorantes desde sempre e para sempre (o sábado será guardado inclusive na Nova Terra – Is 66:22, 23)"

    "Será que o sábado foi estabelecido apenas para o povo judeu? Isaías 56:6 e 7; Eclesiastes 12:13 Segundo o livro de Gênesis (ver pergunta nº 1), o sábado foi estabelecido na Criação, quando só havia Adão e Eva. Não havia judeus e nem outro povo qualquer.

    8. Que dia Jesus guardava? Lucas 4:16

    9. Que dia o apóstolo Paulo guardava? Atos 16:13; 17:2

    10. Que dia Maria, mãe de Jesus, e as mulheres seguidoras de Cristo guardavam? Lucas 23:56

    12. Como Deus deseja que guardemos o sábado? Isaías 58:13 e 14; Mateus 12:12

    13. Após a morte de Jesus, seria o sábado observado pelos Seus seguidores? Mateus 24:20



    14. Adianta guardar nove mandamentos? Tiago 2:10; I João 2:4

    15. Que dia será santificado na Nova Terra? Isaías 66:22 e 23"


    O ponto parece ser sempre resumido em:
    -Sabado foi decretado no Eden como mandamento para todoa humanidade e não aos judeus somente.
    -Jesus guardava o sabado
    -Seus discipulos guardavam o sabado conforme vemos nos Evangelhos
    -Paulo guardava o sabado conforme visto em Atos
    -Isaias profetiza que no novo mundo ainda se guardará o sabado

    > Eles ainda inventaram contrargumentos aos textos que falam em fim da lei e onde Paulo fala para se parar de observar dias e diz que não se deve julgar pessoas por um sabado.Tais textos falam apenas dos sabados cerimoniais de meses, anos e não do sabado semanal .... etc etc etc. É um assunto central para nossos leitores que sejam legalistas, messiânicos ou adventistas....

    ResponderExcluir